Ovibeja 2017

Também, na sessão de abertura da grande feira do Sul, o presidente da Câmara de Beja, João Rocha, frisou que nesta "terra" que tem muito para dar ao país, e grandes potencialidades para captar investimento na área das agroindústrias, existem alguns constrangimentos, referindo-se às acessibilidades.

O presidente da República voltou este ano ao certame e referiu que nos últimos anos Beja deu um salto, que se nota, fruto da iniciativa da terra. Marcelo Rebelo de Sousa, que foi recebido à entrada da feira pelo Movimento Beja Merece +, recordou o que ainda falta cumprir nos acessos ferroviários e rodoviários e no aeroporto de Beja.

O primeiro-ministro, António Costa, na visita que fez à Ovibeja mostrou apreço pelo trabalho que os agricultores têm feito nas últimas décadas e relevou o facto, da agricultura ser um setor forte nas exportações, mas quando foi questionado sobre a temática das acessibilidades, não respondeu.

Alguns dos líderes da oposição também marcaram presença no certame deste ano e falaram sobre agricultura e acessibilidades. Passos Coelho, presidente do PSD, falou sobre o investimento que é preciso fazer na região através da criação de agroindústrias e disse esperar que em 2017, o Governo possa andar mais depressa, na execução do IP8 e na electrificação da linha férrea entre Beja e Casa Branca.

Jerónimo de Sousa, secretário-geral do PCP, disse na Ovibeja 2017 que é preciso colocar Portugal a produzir mais, que o certame é um bom exemplo do que melhor se produz na região e que o combate à desertificação também se faz com a melhoria das acessibilidades.

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, destacou o dinamismo que o sector agrícola demonstra, deixou elogios à organização da 34ª Ovibeja, mas mostrou-se apreensiva com as questões da seca que se anuncia nos locais onde não chega o regadio do Alqueva.


Comente esta notícia

Galeria de fotos