Militar GNR costas
A ASPIG recorda que durante o tempo que esta "equipa" esteve no Comando-geral, coincidiu, em parte, com aquele em que a motivação e alento dos militares foram "devastados" com medidas de contenção "avassaladoras". Ainda assim, diz a ASPIG só o facto dos militares acreditaram no País, na Pátria e na importância da segurança os cidadãos os leva a acreditar ainda na profissão que "abraçaram".

José Alho, presidente da ASPIG, afirma que houve uma relação conflituosa com a equipa que agora sai e fala numa "lufada de ar fresco" referindo-se ao novo Comandante-geral da GNR, o tenente-general Couto, que toma posse esta semana.

José Alho acredita que vai ser possível resolver alguns problemas que existem no seio da GNR com a entrada do novo Comandante-geral.

Comente esta notícia