Cercibeja Residencial

José Hilário, presidente da Cercibeja, afirma que os tempos são de “ansiedade” e “nervosismo”, embora contem com profissionais da instituição que diariamente dão o seu melhor e que se sentem “abandonados” pelas entidades responsáveis.

José Hilário recorda que o trabalho é desenvolvido com um público muito específico, pessoas com deficiência, que têm comportamentos “diferentes” e que, por isso, estas instituições deviam ter outro tipo de apoio.

O presidente da Cercibeja revela ainda que já “bateu” a várias “portas” mas sem sucesso e mostra-se preocupado com o facto, da instituição estar a chegar à ruptura a nível dos equipamentos de protecção. Ainda de acordo com José Hilário a partir da próxima 2ª feira, vão existir equipas permanentes no lar, existindo substituição de12 em 12 dias. Ainda assim, a preocupação de José Hilário é permanente porque se o COVID 19 chega à instituição vai ser muito complicado, os utentes para além da deficiência, têm vários problemas de saúde associados.


Comente esta notícia