Federação PS Baixo Alentejo

No documento, o PS justifica as suas afirmações no facto, do Partido Socialista ter solicitado à atual maioria da CDU, na Câmara Municipal, a cedência de informação sobre a relação de dívidas do Município, com os nomes dos credores, os montantes e as datas de constituição da dívida e de terem sido negados os esclarecimentos em causa. Neste contexto, a nota de imprensa frisa que a "CDU não forneceu a informação aos eleitos na Assembleia Municipal, algo que consta da informação escrita do presidente da Câmara Municipal à Assembleia Municipal, na esmagadora maioria dos municípios Portugueses, mas em Cuba não."

O PS prossegue referindo que perante esta atitude, que classifica de "arrogância antidemocrática", solicitou à Comissão de Acesso aos Documentos Administrativos (CADA), o acesso à informação sobre a relação de dívidas municipais existentes em 31 de dezembro de 2016 e que "a CDU de Cuba teve o desplante de enviar à CADA, um documento parcialmente rasurado em que é impossível constatar quem são os devedores em atraso, em montantes superiores a 150 mil euros."

Pedro do Carmo, presidente da Federação do Baixo Alentejo, frisa que a "democracia não se apregoa exerce-se e que o Executivo da CDU de Cuba está a prestar um mau serviço aos cubenses, tomando este tipo de atitude".

A Coordenadora Concelhia de Cuba da CDU já se pronunciou sobre as acusações dirigidas à Coligação Democrática Unitária deste concelho, referindo, "em primeiro lugar, que sendo questões locais estranha-se o porquê de uma posição distrital", por parte do PS.

Prossegue dizendo que "em segundo lugar, este tipo de abordagens e a sua prática podem demonstrar que, na verdade, o PS em Cuba continua amarrado ao seu anterior presidente Francisco Orelha e à sua continuada influência em detrimento, de algum modo a interpretação é possível, do actual candidato do PS em Cuba".

"Em terceiro lugar", afirma que "do atual documento praticamente todas as dívidas solicitadas provêm dos mandatos do partido socialista" e "em quarto lugar não se pode "deixar de referir que o responsável distrital e deputado do PS, melhor faria se se interessasse mais pelos problemas do distrito, designadamente das acessibilidades e ferrovia, entre muitos outros, do que estar a assumir «dores» relacionadas com questões que, nos locais e em instâncias próprias naturalmente podem ser resolvidas."

Por último lamenta-se que, "apesar de estarmos em período eleitoral não pode valer tudo, até porque neste mandato o PS nunca se pronunciou em nada sobre o concelho de Cuba".


Comente esta notícia