FORTES

Fátima Mourão, da Plataforma “Problema Ambiental de Fortes”, assegura que algumas pessoas desta localidade marcam presença hoje, no Parlamento, porque querem perceber qual é a sensibilidade do ministro do Ambiente sobre esta matéria e com o que podem contar no futuro.

Recorde-se que a CCDR Alentejo aplicou à unidade de transformação de bagaço de azeitona de Fortes três contra ordenações graves, nomeadamente uma por atraso na entrega de relatório de auto controlo e mais duas por emissões, nas chaminés da fábrica, fora dos limites da lei, situação que levou ao pedido de suspensão da laboração por parte desta entidade. O pedido foi apreciado pelo IAPMEI, entidade a quem competia dar o parecer final sobre esta matéria, um parecer que ditou o encerramento da unidade de transformação, por um período de 6 meses.


Comente esta notícia