Médico

Segundo o BE, “é gritante o número de utentes sem acesso a um médico de família e visível a contínua falta de investimento em meios humanos e infraestruturas na área da saúde, nomeadamente, em Sabóia e em Vila Nova de Milfontes, o que se traduz por um excessivo tempo de espera nas consultas em várias extensões de saúde no concelho, há utentes a dormir à porta para conseguirem uma simples consulta de recurso”.

Na moção aprovada, os deputados pedem que sejam comunicados à Assembleia Municipal os números reais de utentes inscritos e quais os que têm acesso a médico de família, assim como os investimentos previstos em termos de infraestruturas e equipamentos de saúde.

Ainda segundo o BE, “as graves deficiências existentes no acesso aos cuidados de saúde no concelho de Odemira e a falta de meios humanos no Hospital do Litoral Alentejano, agravadas pelo considerável aumento da população residente e dos visitantes no Verão, estão na base do contínuo descontentamento das populações com as situações relatadas”.



Comente esta notícia