Olival Intensivo

Trata-se de uma iniciativa que surge tendo em atenção que “o Alentejo assiste a um dos mais extraordinários programas de investimento público e privado jamais realizado em Portugal na área da agricultura, decorrente, sobretudo, da construção da Barragem de Alqueva, mas igualmente fruto das profundas transformações a que se assiste em toda a região associadas às novas formas de fazer agricultura”.

Os desafios que este novo paradigma socioeconómico vem gerar no território no que concerne ao futuro das paisagens rurais tradicionais, do património cultural, em especial o arqueológico requerem uma reflexão em conjunto para traçar pistas de como actuar perante estas novas realidades que transformam campos e comunidades.

A organização da sessão pertence à Direcção Regional de Cultura do Alentejo, Instituto Politécnico de Beja através da Escola Superior Agrária,   Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Alentejo,  Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo, Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva,  Comissão de Coordenação e Desenvolvimento do Alentejo, a Universidade de Évora e Câmara Municipal de Beja.

Depois da sessão de abertura a cargo das entidades promotoras do evento seguem-se as intervenções de Teresa Pinto Correia, professora catedrática do Departamento de Paisagem, Ambiente e Ordenamento da Universidade de Évora, Pedro Santos, engenheiro e director-geral da CONSULAI, Samuel Melro e Miguel Rego, arqueólogos da Direcção Regional de Cultura do Alentejo e Luís Folque, engenheiro e administrador da ELAIA.


 


 



Comente esta notícia