Problemas graves com o abastecimento de água a Aljustrel
Problemas graves com o abastecimento de água a Aljustrel

Inês Patola - 19/06/2017 - 00:00 - Imprimir


Problemas graves com o abastecimento de água a Aljustrel


A autarquia de Aljustrel vai deixar de pagar às Águas Públicas do Alentejo porque, considera que a empresa não está a cumprir o contrato que existe entre as duas entidades.Os vereadores da CDU dizem que a autarquia é devedora há já vários anos.

Segundo o município, em causa estão problemas gravíssimos com o abastecimento de água ao concelho, por isso, o pagamento só será feito quando a situação ficar resolvida.

Nelson Brito, presidente da Câmara Municipal de Aljustrel, denuncia cortes sucessivos no abastecimento de água há mais de mês, com todos os transtornos que isso acarreta às populações, e afirma que já deu conta da situação aos responsáveis das Águas Públicas do Alentejo e das Águas de Portugal.

Ainda segundo, Nelson Brito, há responsabilidades que têm que ser apuradas devido ao serviço péssimo que é prestado pelas Águas Públicas do Alentejo ao concelho de Aljustrel.

Para os vereadores da CDU, da autarquia de Aljustrel, esta questão do não pagamento às Águas Públicas do Alentejo, não faz sentido porque afirmam, em nota de imprensa, que “o município está em incumprimento para com esta entidade há quase cinco anos, acumulando dívidas de várias centenas de milhares de euros, decorrentes de água consumida pelo município”.

Ainda segundo os vereadores da CDU, “estes incumprimentos já foram amplamente denunciados e criticados pelos vereadores da CDU, em diversas reuniões de câmara, a regularização devida destas dívidas dariam agora maior legitimidade para o executivo municipal exigir o cumprimento contratual à outra parte”.

Ainda sobre os sucessivos cortes no abastecimento de água ocorridos nos últimos dias na vila de Aljustrel, na nota de imprensa os vereadores da CDU mostram-se “preocupados com o perdurar desta situação e com os inerentes transtornos para a população, e mais uma vez afirmam a sua incompreensão como o executivo municipal empurra as responsabilidades para outros”. Nesse sentido, exigem que sejam tomadas medidas urgentes e concretas para ultrapassar ou minimizar a actual situação, para o bem estar da população.




COMENTE ESTA NOTÍCIA