Villa Romana de Pisões reabre hoje ao público
Villa Romana de Pisões reabre hoje ao público

Ana Elias de Freitas - 27/09/2017 - 00:00 - Imprimir


Villa Romana de Pisões reabre hoje ao público


A Villa Romana de Pisões recebe hoje, às 17.30 horas, uma sessão pública, que assinala a reabertura ao público deste espaço e que conta com a presença da secretária de Estado da Ciência Tecnologia e Ensino Superior, precedida de uma visita ao sítio arqueológico.

A Universidade de Évora decidiu, embora ainda estejam a decorrer campanhas de estudo, a reabertura ao público deste espaço para visitas, mediante três modalidades: sem marcação, com marcação e para escolas.

Recorde-se que no passado dia 24 de agosto foi assinado um acordo de colaboração entre a Universidade de Évora, a Direção Regional de Cultura do Alentejo e a Câmara Municipal de Beja, que assinalou a formalização de um processo em marcha, para valorização, com múltiplas valências, deste património comum e que a abertura da Villa Romana de Pisões, ao público, decorre desta ação.

Sónia Calvário, vereadora da Câmara de Beja, vê com satisfação a reabertura deste espaço, frisando que isso significa que o acordo assinado em agosto passado está a ser cumprido.

A partir de hoje, Pisões pode ser visitado sem marcação, desde que seja um pequeno grupo, até três pessoas, embora esta modalidade esteja sujeita a confirmação prévia; com marcação, para grupos alargados, mediante agendamento, com pelo menos uma semana de antecedência junto da Universidade de Évora e por escolas. Neste âmbito, a Universidade de Évora avança que está a preparar programas de visita para escolas, articulados ao nível etário dos estudantes.

A Universidade de Évora revela ainda, que para a realização destas visitas foi recuperado o Centro de Acolhimento e Interpretação, que disponibiliza ao visitante informação sobre o sítio arqueológico e que foi elaborado e sinalizado o percurso a efetuar dentro da Villa Romana de Pisões.

É importante que a Villa seja protegida da chuva, do sol, dos "amigos das lembranças" e dos "amigos do alheio". Desejo que seja visitável - com as devidas cautelas - por todos. Luís de Abreu (Lagos)

Luís de Abreu

COMENTE ESTA NOTÍCIA