Foto com ordem boletim voto

Jorge Pulido Valente, o cabeça de lista do Movimento Beja Capital e que lidera a Candidatura do PS, faz um balanço "extremamente positivo" da campanha, relevando o contacto directo com as pessoas e o retorno de apreço pelo trabalho desenvolvido que diz ter recebido. Resultado que o leva a afirmar estar confiante na vitória, neste domingo.

Carreira Marques, o mandatário concelhio da Candidatura da CDU a Beja, foi quem efectuou o balanço da campanha da Coligação, relevando dois traços que sobressaíram da mesma. No primeiro evidenciou o contacto de proximidade, que nestas autárquicas foi intensificado, com pessoas, entidades e instituições, assim como a boa receptividade demonstrada e acrescentando que a maioria se queixou de ter sido ignorada nestes quatro anos. No segundo, o facto de muitas pessoas, que não são simpatizantes dos partidos da Coligação, terem assumido que vão votar João Rocha.

João Pedro Caeiro, que lidera a lista do PSD/CDS-PP a Beja, no balanço das acções de campanha frisou o contacto directo estabelecido com as pessoas, dentro e fora da cidade, assim como a boa aceitação demonstrada. Deixou a denúncia dos actos de vandalismo de que têm sido alvo, os cartazes do PSD/CDS-PP, dizendo que demonstram falta de civismo e de respeito pela democracia e que se poderá avançar com uma queixa à CNE. Terminou deixando claro que as forças políticas que a sua candidatura representa não fizeram quaisquer acordos políticos e que estão confiantes de que vão conseguir um bom resultado.

Referindo que esta foi a primeira campanha eleitoral do "Por Beja com Todos", Lopes Guerreiro, que lidera a candidatura do Movimento Independente, fez um "balanço positivo", dizendo que a mesma leva a acreditar num bom resultado. Acrescentou que a campanha foi importante pelo conjunto de pessoas que envolveu em torno do movimento e do bom acolhimento que se sentiu junto da população, nos contactos directos efectuados.

Em 2009, a abstenção ficou perto dos 40 por cento e esta é uma questão que não deixa nenhum dos candidatos a Beja indiferentes.

Lopes Guerreiro considera que a abstenção vai ser determinante para a leitura dos resultados. Disse também que um dos objectivos do Movimento é fazer baixar os índices de abstenção e que se tal não acontecer significa que não foi bem-sucedido nesta meta.

Jorge Pulido Valente mostrou-se confiante e diz acreditar que a afluência às urnas seja elevada no dia 29, lembrando que de forma geral, todos os candidatos têm apelado ao voto.

O mandatário concelhio da CDU avançou que a candidatura liderada por João Rocha está confiante, na obtenção de um bom resultado, mas que é necessário contrariar o desinteresse instalado pela classe política e fazer perceber às pessoas que só se pode mudar votando e que essa é a "arma" que devem utilizar domingo.

João Pedro Caeiro também está preocupado com esta questão, apelou ao voto, recordou que não exercer este direito é permitir que outros escolham quem vai liderar os destinos do concelho e que no dia 29, votar PSD/CDS-PP é terminar com as maiorias que até à data pouco têm feito por Beja.


Comente esta notícia