À paralisação que começou ontem, decretada pela FESAP-Federação de Sindicatos da Administração Pública e a FNE-Federação Nacional de Educação, estruturas afectas à UGT, junta-se nesta 6ª feira, a Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública, da CGTP, que inclui, entre outros, a FENPROF-Federação Nacional dos Professores, SEP-Sindicato dos Enfermeiros Portugueses e STAL-Sindicato dos Trabalhadores da Administração Local.

Maria da Fé Carvalho, coordenadora da União de Sindicatos do Distrito de Beja, acredita que, hoje, a greve vai ter efeitos em diversas áreas e afirma que sem serviços públicos de qualidade, sem trabalhadores motivados também o País não pode avançar.














Comente esta notícia