jovem preocupada

No entanto, os jovens começam a revelar preocupações quanto a alguns aspetos do seu futuro. O que mais preocupa os jovens portugueses é o Emprego (80%), mais assinalado entre os que têm 25 e 34 anos (85%) do que entre os dos 18 aos 24 anos (73%). 

De seguida, entre os mais jovens, as questões mais preocupantes são o sistema de ensino (72%) e o de saúde (67%). Já entre os que têm entre 25 e 34 anos, inverte-se a ordem, e a segunda preocupação é o sistema de saúde (70%) e o sistema de ensino (51%).

Com a declaração de Estado de Emergência, de forma geral os portugueses adiaram algumas compras menos urgentes. Mas foram, maioritariamente, os inquiridos com idades compreendidas entre os 25 e os 34 anos que decidiram adiar uma ou mais compras (41%) e são estes que revelam mais intenções de gastar menos nos próximos meses (63%). 

Estes comportamentos parecem estar relacionados com a incerteza em relação ao futuro - estando os mais jovens, dos 18 aos 24 anos, mais preocupados com este aspeto (69%). Enquanto os portugueses dos 25 aos 34 anos pretendem ter uma maior contenção nos gastos devido à situação de layoff em que muitos se encontram (49%). 

A poupança parece estender-se ao período de férias. Se a globalidade dos inquiridos pelo Observador Cetelem Consumo 2020 pretendem gastar em média cerca de 912 euros, os inquiridos mais jovens, entre os 18 e os 34 anos, tencionam gastar ligeiramente menos que a generalidade, em média 855€.

No momento atual, os portugueses inquiridos pelo Observador Cetelem Consumo, enumeram como principais preocupações o sistema de saúde (74%), emprego (69%) e poder de compra (50%). 

O sistema de saúde é a primeira preocupação nas faixas etárias dos 55 aos 64, e dos 65 aos 74 anos – ambas com 45%. Este tema é também partilhado nas regiões do Porto (49%) e em Lisboa (44%). 

O emprego é igualmente tema de preocupação entre dos 45 aos 54 anos (35%), e mais assinalável entre os residentes na região Sul (37%). Também o poder de compra é especial motivo de preocupação entre os habitantes na região Centro (21%).


Comente esta notícia