Documentário Monapo

“As mudanças tiveram impactes na formação, na capacitação e no associativismo, mas também na saúde, agricultura, nutrição, entre outros” e é “através das vozes das pessoas de Monapo, entre elas técnicos, agricultores, membros de associações locais, bem como do cidadão comum e da Cooperação Portuguesa em Moçambique, que é possível ficar a conhecer o que mudou, de forma objetiva”. As declarações são de Jorge Revez, presidente da Direção da ADPM, que realçou o facto, de se ter conseguido em Monapo “aumentar o nível do secundário da 6.ª para a 12.ª classe”, referindo-se a esta situação como aquela que permite esbater desigualdades.

“Este documentário reconhece, ainda, o contributo que Portugal pode dar a países irmãos, através de Associações como a ADPM, provenientes de territórios nacionais também eles com muitas fragilidades, como é o caso do Alentejo, capazes de operar mudança”. As palavras são, também, de Jorge Revez.

No documento enviado à nossa redação é frisado, igualmente, que “fruto de uma parceria estreita com associações locais, foi possível alcançar alguns marcos importantes como: a construção de 2 maternidades, de 1 unidade de socorro e de 1 enfermaria e a construção de 35 salas de aula”. É revelado, ainda, que “o nível do secundário aumentou da 6.ª para a 12.ª classe; que foram formados 1700 professores; que mais 1000 alunos integraram o secundário; que já há água potável para 26000 habitantes, 16 furos de água e 9 fontanários e que 8 associações de produtores agrícolas foram organizadas, assim como capacitados 153 agricultores.

O documentário pode ser visionado em: https://youtu.be/NzWvVhJipVQ.


Comente esta notícia