CENTRO DE SAÚDE DE ALMODÔVAR

Esta situação está a causar enormes dificuldades no acesso das pessoas aos cuidados de saúde, sobretudo porque a Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo (ULSBA) ainda não cumpriu o compromisso estabelecido com a Câmara Municipal no sentido de contratar os médicos que fazem falta no concelho de Almodôvar, e porque a Unidade Móvel de Saúde não presta serviço médico nas localidades mais remotas do concelho, afirma António Bota. O presidente da Câmara denuncia também, aquilo que considera ser, a quase inércia da ULSBA, relativamente a esta questão.

O Presidente da Câmara Municipal de Almodôvar não pode deixar de lamentar, igualmente, que perante dificuldades muito concretas das populações, a ULSBA esteja a demorar tanto tempo na resolução dos problemas e que pareça não querer assegurar as condições básicas na prestação de serviços de saúde que a população de Almodôvar exige e merece. Isto, apesar de todos os compromissos assumidos e da disponibilidade que a Câmara Municipal apresentou para encontrar as soluções necessárias, desde disponibilizar verbas para a contratação até colocar à disposição dos médicos habitação sem custos, acrescentou ainda, António Bota.

A ULSBA responde à denuncia de António Bota dizendo que o presidente da Câmara Municipal de Almodôvar, em notícias veiculadas nos órgãos de comunicação social hoje, dia 17 de Abril de 2014, mostra preocupação com a falta de médicos no Centro de Saúde de Almodôvar, preocupação essa que é, de há muito, partilhada pelo Conselho de Administração da Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo, EPE.

No entanto, procura confrontar o Conselho de Administração da ULSBA, EPE como se nada estivesse a fazer para resolver tal situação. Ora, tal como sabe o presidente da Câmara Municipal de Almodôvar, tal não é verdade, porquanto a decisão de solicitar à tutela a contratação de dois médicos para esse Centro de Saúde foi efetuada, assim que a documentação necessária foi apresentada.

Deve o presidente da Câmara Municipal de Almodôvar desconhecer que, presentemente, a ULSBA tem uma tutela e regras definidas para contratação de pessoal e que, por muito desejo que tenha de contratação imediata de profissionais médicos, de modo a não deixar utentes a descoberto, tem que, previamente, ter autorização superior para que tal se efectue.


Comente esta notícia