Serpa

Em Serpa foi aprovada por unanimidade, na última reunião de Câmara, uma tomada de posição em defesa da população, contra a diminuição dos serviços públicos no concelho e na região porque considera que as medidas que estão a ser tomadas agravam de forma inadmissível a qualidade de vida da população.

A autarquia de Serpa considera que o concelho está a ser altamente prejudicado com estas políticas e recorda que o Hospital de S. Paulo tem vindo a ser esvaziado de valências e prevê-se a sua entrega à Misericórdia a breve prazo, desconhecendo-se quais os acordos.

O município recorda ainda que tem vindo a falar-se, com bastante acuidade, no encerramento do Serviço de Finanças, dos CTT, que existem questões relacionadas com a segurança pública, nomeadamente quanto ao possível encerramento temporário do Posto da GNR, a que se acrescenta o desinvestimento na rede de transportes públicos e na rede viária, a extinção de Juntas de freguesia, e a nível nacional, os cortes sucessivos nos salários e pensões dos trabalhadores, o desemprego crescente, o aumento de impostos.

Tomé Pires, presidente do município de Serpa, afirma que esta tem sido a posição da autarquia e que agora é novamente "recordada" porque começa a acentuar-se a diminuição de serviços públicos no concelho.

Ainda segundo a Câmara de Serpa no Orçamento de Estado para 2014, não há nenhuma estratégia para o desenvolvimento económico e social do distrito de Beja o que existe é uma redução significativa das transferências para os municípios e para as freguesias, o que implica menos investimento, menos economia e mais desemprego. O problema do IP8 e IP2, obras fundamentais para a região e cujas condições de segurança e mobilidade se agravam a cada dia que passa, não ficará resolvido.

Finalmente o município de Serpa deixa a garantia que vai continuar a apoiar e a dinamizar acções para mudar a situação, empenhando-se activamente neste objectivo de todas as formas possíveis porque a sua maior prioridade é trabalhar por um concelho desenvolvido, em defesa das populações.


Comente esta notícia