A riqueza de Castro Verde começa no subsolo e prolonga-se pelo campo que, com a designação de Branco, é uma espécie de via verde para a defesa da biodiversidade e a preservação de algumas das mais importantes aves em vias de extinção.

Castro Verde integra a Faixa Piritosa Ibérica e é subsolo da mais importante mina do País em laboração.

O concelho de Castro Verde é ainda conhecido pelo Campo Branco, a mais importante zona de pseudo-estepe, ou estepe cerealífera de Portugal, com cultura de cereais em extensivo em regime de rotação com pousios. Estes campos, que foram integrados na Rede natura 2000, protegem algumas das mais importantes espécies de aves, como o peneireiro das torres, a abetarda, o sisão, o cortiçol-de-barriga-negra sendo que as duas primeiras são consideradas de conservação prioritária pela União Europeia.

Em termos político-partidários, o concelho de Castro conservou também, durante nove mandatos, um presidente de Câmara que é considerado um dos cinco dinossauros da política portuguesa do pós 25 de Abril. Fernando Caeiros esteve à frente dos destinos do concelho entre 1976 e 2008. Eleito primeiro pela FEPU - Frente Eleitoral Povo Unido, depois pela Aliança Povo Unido e mais tarde pela coligação PCP/PEV, Fernando Caeiros obteve sempre votações muito expressivas, sempre com maioria absoluta. Saiu da política pelo seu pé na altura em que foi nomeado representante dos municípios alentejanos na comissão directiva da autoridade de gestão do INAlentejo. Até às eleições do ano seguinte, Caeiros foi substituído pelo vice-presidente, Francisco Duarte que, candidato, ganhou as eleições pelo PCP/PEV, em Outubro de 2009.

Às próximas eleições Francisco Duarte volta a ser candidato pela Coligação Democrática Unitária. Natural de Lisboa, por oposição ao regime anterior ao 25 de Abril foi para França onde se diplomou em Arquitectura. Desde o início do Poder Local Democrático que desempenha funções públicas no distrito, primeiro na Câmara de Beja, depois em Castro, Odemira e novamente Castro Verde, actividades que lhe proporcionaram "um conhecimento profundo das realidades locais e regionais".

Pelo PSD/CDS, o candidato proposto é Mário Mota Lopes. Professor do ensino especial em Castro Verde, integrou a Assembleia Municipal deste concelho, como deputado do PSD/CDS. 

O candidato do PS é António José Brito, jornalista durante cerca de duas décadas até à decisão da sua candidatura. Natural de Entradas, António José Brito tem 42 anos e frequenta a licenciatura de Educação e Comunicação Multimédia, no IPBeja.

Com cinco freguesias: Casével, Castro Verde, Entradas, Santa Bárbara de Padrões e S. Marcos da Ataboeira, a reorganização administrativa do território passou por aqui. As freguesias de Castro Verde e de Casével juntam-se numa união de freguesias.

Castro Verde tem uma população de 7 276 habitantes distribuídos pelos 567 quilómetros quadrados do concelho.   


Comente esta notícia