Estação da CP Beja

A notícia, avançada pelo jornal “Público” vem confirmar uma situação que já tinha sido revelada pelo Diário do Alentejo, no passado mês de Março. Também a Voz da Planície tinha questionado o Ministério do Planeamento e das Infraestruturas, em Novembro de 2017, e a resposta que foi dada é que “a electrificação da linha Beja/Casa Branca não estava prevista até 2020” e que "o Governo estava a desenvolver na altura um debate sobre o próximo ciclo de investimento (2020/2030), no quadro do qual esse projecto poderia ser previsto”, mas afinal não foi.

A discussão pública sobre o PNI 2030 para definir as prioridades dos investimentos infraestruturais estratégicos de médio e longo prazo nos sectores da Mobilidade e Transportes, Ambiente e Energia começou ontem e o Governo vai agora avançar com a realização de debates temáticos, em todo o País.

Pedro do Carmo, presidente da Federação do Baixo Alentejo do Partido Socialista, afirma que enquanto deputado está a preparar uma pergunta ao Governo, a manifestar a sua preocupação em relação a esta matéria e garante que vai também dar conta desta sua posição ao secretário-geral do PS. Pedro do Carmo considera ainda, que não é admissível que a electrificação da linha Beja/Casa Branca fique de fora do 2030 e garante que não vai baixar os braços, no entanto, acredita que o projecto ainda vai ser integrado no PNI.

José Maria Pós-de-Mina, da DORBE do PCP, considera que é uma hipocrisia política inqualificável as afirmações do ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, ao expressar, simultaneamente, que o país terá de ser “mais competitivo, mais convergente, com maior coesão territorial e maior sustentabilidade em todo o território, nomeadamente nas regiões de baixa densidade”, continuando a deixar de fora dos investimentos ferroviários o maior distrito, em termos territoriais.

João Guerreiro, presidente da Distrital de Beja do PSD, afirma que com o PS no Governo, o Baixo Alentejo não avança, pára simplesmente. João Guerreiro questiona-se ainda sobre as 154 medidas para o desenvolvimento do interior que foram anunciadas, em 2017, na cidade de Beja, pelo ministro Eduardo Cabrita.



Comente esta notícia

Hipocrisia e puro abandono, isto não é democracia é o 24 de Abril de 1974, nós alentejanos temos que efectuar um sobressalto civíco, uma desobediência pública.Aquele Senhor ministro do cabelo com gel e o Costa são fascistas e demagogos, fascismo nunca mais, vamo-nos rebelar contra os fascistas do PS, o seu deputado demita-se porque é um joguete nas mãos do indiano Costa.

Silvestre António Carrilho Pastor

20/06/2018

Só para 2030?! Quanto mais tempo se espera para a realização do projecto, mais depressa se degrada o troço entre a casa Branca e Beja. E eu acredito que se toda a linha fosse requalificada, não só da Casa Branca até Beja, mas também de Beja até Serpa, Pias e Moura, e com um ou dois comboios a circularem de Lisboa até Beja e Moura, que atrairiam muitos turistas, não esquecendo que a poucos metros da cidade de Moura existe o maior lago artificial da Europa, o Alqueva que atrai muitos turistas e muitas famílias portuguesas. Além disso no mapa do Google nota-se a linha desactivada entre Beja, Serpa, Pias e Moura, fiz o percurso pelo mapa do Google, e é um percurso muito bonito e com paisagens bonitas, e a ponte que passa por cima do rio Guadiana é uma paisagem bonita. E acho que a nível turístico e cultural para o País que seria excelente!!!.

Luís Pascoalinho

20/06/2018