"Dê troco a quem precisa"

A ação solidária, ativa em mais de 600 farmácias de todo o país, convida os portugueses a acertar o troco das compras para ajudar os mais carenciados a aceder à medicação prescrita.

No distrito de Beja são já treze as entidades referenciadoras e 648 pessoas que beneficiam deste programa solidário, sendo que, o objetivo é alargar este número, tal como explica Maria Violante Janeiro, porta-voz da campanha, nesta região.

Quanto ao impacto deste programa nacional, Maria Violante Janeiro revela que foi efetuado um estudo de avaliação que concluiu que cada euro doado ao Abem tem um retorno social avaliado em 7,8 euros, que já permitiu apoiar mais de 9 mil pessoas carenciadas.

Os donativos angariados serão, integralmente, aplicados na compra de medicamentos dos beneficiários do programa solidário e a porta-voz da campanha “Dê Troco a Quem Precisa”, no distrito de Beja, deixa um apelo a todos para que contribuam e se juntem a esta causa.

As Farmácias Fonseca e Central são as duas farmácias Abem no concelho de Beja. No site do programa Abem pode consultar a lista completa das 29 farmácias aderentes no distrito de Beja. 

As farmácias Abem são uma das partes constituintes da rede solidária do medicamento que é o Programa Abem. Permitem aos beneficiários do programa aceder aos medicamentos do mesmo modo que qualquer cidadão comum, assegurando toda a qualidade de serviço e dignidade no atendimento habituais. 

A Associação Dignitude nasceu no dia 4 de novembro de 2015, em Coimbra, onde está sediada. É uma instituição particular de solidariedade social que tem por missão o desenvolvimento de programas solidários de grande impacto social, que promovam a qualidade de vida e o bem-estar dos portugueses. O abem: Rede Solidária do Medicamento é o primeiro Programa promovido pela Associação Dignitude.

O Programa Abem: Rede Solidária do Medicamento é um projeto inovador, lançado pela Associação Dignitude. Tem como objetivo permitir o acesso, de forma digna, aos medicamentos prescritos a quem não tem capacidade financeira para os adquirir, cobrindo, no receituário, o valor não comparticipado pelo Estado.


Comente esta notícia