PCP

A Organização Regional de Beja do PCP "saúda todos aqueles que no distrito de Beja aderiram à Greve Geral convocada pela CGTP, com firmeza e coragem, e dela fizeram um momento alto da luta dos trabalhadores e do povo".

Em nota de imprensa enviadas às redacções, o PCP frisa que esta foi "uma Greve Geral que disse basta à brutal ofensiva da política de direita, dos PEC e ao Pacto de Agressão, subscrito por PS, PSD e CDS, e com o aval do Presidente da República, que acentua todos os dias a degradação da situação do País".

Na nota enviada à comunicação social os comunistas prosseguem que esta jornada de luta "disse basta de desemprego, de diminuição dos salários e de outras remunerações, de aumento da precariedade, de facilitação dos despedimentos, de aumento do horário de trabalho, de aumento da idade da reforma, de novas penalizações na proteção social com menos apoio na doença e no desemprego, de uma redução ainda maior do valor das reformas e pensões, e de medidas que arruínam milhares de Pequenas e Médias Empresas e afundam ainda mais a economia nacional".

Sublinham ainda que, a Greve Geral mostrou que "basta de privatizações, desmantelamento das funções sociais do Estado, em particular o Serviço Nacional de Saúde, a Escola Pública e da segurança social. Basta de exploração, corrupção, compadrio, tráfico de influências, de uso dos dinheiros públicos para enriquecimento pessoal e promiscuidade entre interesses políticos e económicos".

Segundo os comunistas, esta "Greve Geral teve uma significativa adesão e forte impacto no distrito de Beja no sector da saúde com especial incidência nos Hospitais de Beja e Serpa, na educação com perturbações nas atividades e encerramento de escolas, nos correios afetando sobretudo a distribuição postal, mas também no sector privado e social, com encerramento de infantários e perturbações nos transportes. O encerramento de agências bancárias, tribunais, e serviços de finanças em diversos concelhos foi outra realidade. No plano da administração local a adesão dos trabalhadores foi massiva com fortes repercussões como atestam o encerramento do Museu Regional, da Assembleia Distrital, de várias Juntas de Freguesia e Câmaras Municipais e a suspensão de serviços como a limpeza urbana, recolha de resíduos, piscinas, bibliotecas, entre outros".

A Organização de Beja do PCP "exorta os trabalhadores e as populações a intensificarem a luta contra a política de direita e o Pacto de Agressão, pela demissão do Governo e convocação de eleições antecipadas, por uma política patriótica e de esquerda, inspirada na Constituição da República e nos valores de Abril".


Comente esta notícia