Regadio

A EDIA - Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva está a avançar, neste momento, com várias frentes de obras. Trata-se de empreitadas para 20 mil hectares de blocos de rega e alguns circuitos hidráulicos da rede primária de Alqueva.

Depois de, em Agosto, ter recebido luz verde do Tribunal de Contas para avançar com novas empreitadas no valor de 200 milhões de euros para novos regadios, a EDIA está a arrancar com obras na Margem Esquerda do Guadiana e no concelho de Beja entre S. Pedro, Baleizão e Quintos e nos blocos de Cinco Reis/Trindade. A informação é prestada pelo presidente do Conselho de Administração da EDIA, João Basto. 

Além desta carteira de obras já no terreno, a EDIA está, em paralelo, a lançar concursos para um segundo bloco de empreitadas conforme revelou João Basto.

O presidente da EDIA adiantou que, de acordo com o cronograma estabelecido com os empreiteiros, as obras que estão agora a começar deverão ficar concluídas até final de 2014, sendo que aquelas para as quais estão a ser lançados os concursos, o objectivo é que fiquem prontas até final de 2015. A par das obras e dos novos concursos, está ainda em curso o processo negocial para assegurar os fundos comunitários necessários para a finalização dos trabalhos programados para Alqueva, verbas que João Basto garante estarem asseguradas.

Sobre o início das obras da rede de rega de Alqueva, o presidente da Federação das Associações de Agricultores do Baixo Alentejo, Castro e Brito, sublinha que há uma grande satisfação em relação aos trabalhos no terreno e deixa a nota para que, no mais curto espaço de tempo, os agricultores possam começar a usar a água proveniente de Alqueva. Neste momento, grande parte destes terrenos estão a ser regados com recurso a outro tipo de soluções, o que representa grandes investimentos privados.

Castro e Brito destaca ainda que, da parte dos agricultores, as provas estão dadas e só com uma agricultura de regadio é que a região consegue ser competitiva. E sublinha que é importante concluir as obras que ainda faltam para chegar aos 120 mil hectares. E a garantia dada pela EDIA de que as verbas estão asseguradas só vem dar mais motivos para os agricultores continuarem os investimentos que têm vindo a fazer no regadio.

As entrevistas concedidas por João Basto e pelo representante da Federação dos Agricultores podem ser ouvidas na íntegra hoje à tarde, a partir das 18h00, no programa "Agricultores do Sul".  


Comente esta notícia