Manif Liceu

No Agrupamento de Escolas Nº 1 de Beja foi colocado um intérprete de língua gestual, para dois alunos com necessidades especiais, que frequentam anos e espaços físicos diferentes. Situação que está a deixar pais indignados e alunos prejudicados.Atrasos na colocação de professores para alunos com necessidades especiais prejudicou o início do presente ano lectivo a muitos discentes, mas a situação em causa está a deixar os pais preocupados, porque a intérprete colocada tem que se dividir entre um aluno do 8º ano, que frequenta a Escola de Santiago Maior e outro do 10º, que tem aulas na Diogo Gouveia, não conseguindo contemplar toda a componente lectiva dos dois discentes a quem tem de dar apoio, mas que fazem parte do mesmo Agrupamento.

Ilda Santos, mãe de João Martins, o aluno do 10º ano com necessidades especiais, explicou à Voz da Planície que a Direcção do Agrupamento foi apanhada de surpresa com a colocação apenas, de uma intérprete, quando tinha pedido dois e referiu que é impossível uma única pessoa estar em dois espaços físicos diferentes, ao mesmo tempo.

Ilda Santos avançou também à nossa estação que foi a Évora, com a Associação de Surdos de Beja, falar com Herlânder Mira, responsável a nível regional pelas questões da Educação, que a apoiou, juntando à carta ofício que seguiu para o secretário de Estado da Educação, proveniente da Diogo Gouveia e a explicar a necessidade de colocação de dois intérpretes de língua gestual, um parecer favorável a esta contratação.

Mesmo com toda esta ajuda, Ilda Santos revelou que na passada sexta-feira, dia 25, chegou a resposta da Secretaria de Estado, dando uma justificação "absurda", em que justifica a colocação de um intérprete, dizendo que o rácio é de 1, para seis alunos com necessidades especiais. Acrescentou que João Martins tem sido sempre um bom aluno, mas que começa a mostrar-se desmotivado pelas disciplinas em que não tem intérprete e que teme pelo futuro do filho.

Ilda Santos é uma mãe preocupada e promete continuar a lutar pelos direitos do seu filho e para que se faça justiça, trazendo para Beja os dois intérpretes de língua gestual que o Agrupamento de Escolas Nº 1 necessita. Fez questão de dizer, igualmente, que o seu filho tem recebido todo o apoio da escola, professores, colegas e que apenas não tem contado com a ajuda do Ministério da Educação.


Comente esta notícia

Galeria de fotos