MIGUEL MADEIRA DORBE DO PCP

Para Miguel Madeira, as propostas do Governo, constantes do OE para 2014, em nada resolvem os problemas económicos do País, agravando sim as condições de vida dos trabalhadores e protegendo os detentores do capital, e no caso do distrito de Beja, para além de serem omissas em questões fundamentais, como são as acessibilidades, diminui as transferências para o Instituto Politécnico, saúde e municípios e a tudo isto é preciso juntar o encerramento em curso das repartições de finanças, dos CTT e dos tribunais, situações que significam machadas brutais no desenvolvimento da região e que só servem para delapidar a mesma.

Razões que levam o PCP a sair à rua no final deste mês, avançou Miguel Madeira, com a campanha "Basta de roubos e mentiras", que tem como objectivos denunciar o ataque que está a ser feito aos trabalhadores e distrito, assim como mostrar que o Partido Comunista Português também tem propostas. Acrescentou que para mudar é preciso continuar a lutar pela demissão deste Governo, por eleições antecipadas e por novos governantes patrióticos e de esquerda, que possam imprimir um novo rumo, de rompimento com a troika.

Nesta entrevista, Miguel Madeira analisou também os resultados que a CDU obteve, no distrito e concelho de Beja, nas autárquicas deste ano.

Sobre os resultados obtidos no distrito, Miguel Madeira afirmou que significaram uma vitória de confiança na Coligação e contra o conformismo, referindo que os objectivos traçados, no geral, foram alcançados.

O mesmo sucedeu no concelho de Beja, com a vitória da CDU, na Câmara, Assembleia Municipal, freguesias urbanas e rurais, frisou também Miguel Madeira, dizendo que as listas e programas apresentados, o desgosto do rumo de desastre imprimido pelo PS nos últimos quatro anos e a aposta na parceria com as forças vivas da região contribuíram para estes resultados.

Para além de ser fundamental prestar esclarecimentos sobre as contas do Município, Miguel Madeira considera que o novo Executivo da Câmara de Beja vai conseguir encontrar soluções adequadas para os problemas, imprimindo uma nova forma de governação, assente no envolvimento, articulação e participação, como é apanágio da CDU.

A conversa com Miguel Madeira terminou com a apresentação prévia do Congresso: Álvaro Cunhal, o projecto comunista, Portugal e o mundo hoje, que se realiza amanhã e depois, na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, revelando que o tema não vai ser tratado sem saudosismo, mas sim centrando atenções nas mensagens deixadas pelo político e pelo homem e que continuam a ser actuais.


Comente esta notícia