Salvada é das poucas aldeias que tem feito de tudo para não deixar morrer a tradição, realizando, anualmente, as suas festas tradicionais, em honra da padroeira. Não é fácil reunir um grupo ocasional, todos os anos, para colocar de pé este evento, tendo em atenção que há burocracias e aspetos que têm de ser dominados, avança Vítor Ventura, da Comissão de Festas Salvada, frisando que em 2018, a organização anterior deixou um grupo de pessoas, o das marchas, definido para fazer este trabalho, que está a ser desenvolvido desde março/abril do ano passado. Vítor Ventura acrescentou que esta é das poucas aldeias que não deixa morrer a tradição e que faz as suas festas no dia da terra, 8 de dezembro, Dia de Nossa Senhora da Conceição.

O programa das festas é variado pois tem sugestões religiosas e de lazer e este ano apresenta como cabeça de cartaz o cantor José Malhoa, revela, também, Vítor Ventura, convidando a fazer uma visita a Salvada nesta sexta e sábado, dias 7 e 8.

Nesta sexta-feira, dia 7, primeiro dia das festas tradicionais de Salvada 2018, há procissão das velas em honra da padroeira, às 21.00 horas, baile com Rui Chora, às 22.00 horas e espetáculo com 300 and Friends, a partir da meia noite.

No sábado, 8 de dezembro, Dia de Nossa Senhora da Conceição, as festividades começam às 08.00 horas, com alvorada, com a Fanfarra Distrital de Beja. O dia prossegue com uma missa solene, em honra da padroeira, às 11.00 horas e às 16.00 horas, com uma procissão a Nossa Senhora da Conceição, acompanhada pela Banda Capricho Bejense.

José Malhoa, o cabeça de cartaz deste ano, atua às 22.00 horas e as festividades terminam à meia noite, com fogo de artifício.


Comente esta notícia