greve

Inicialmente a greve foi convocada pela Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública, filiada na CGTP, para pressionar o Governo a incluir no Orçamento do Estado para 2019 a verba necessária para aumentar os trabalhadores da função pública, cujos salários estão congelados desde 2009. Depois da última ronda negocial no Ministério das Finanças, a FESAP- Federação de Sindicatos da Administração Pública e o STE-Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado, decidiram juntar-se a esta greve.

Os funcionários públicos, exigem, entre outros aspectos, aumentos salariais e das pensões, descongelamento das carreiras, reposição do valor das horas extraordinárias e a aplicação das 35 horas semanais a todos os trabalhadores em funções públicas e do sector público empresarial.

As estruturas sindicais acreditam que esta vai ser uma grande greve tendo em conta o descontentamento que existe por parte dos trabalhadores e que vai ter repercussões em todos os sectores da administração pública com destaque para a educação, não será de estranhar se algumas escolas estiveram fechadas, na saúde, com problemas nas consultas e nos blocos operatórios e nas autarquias desde a recolha do lixo até aos sector dos serviços.




Comente esta notícia