DIA INTERNACIONAL DA MULHER

Recorde-se que esta data foi instituída há 103 anos, mas que continua a fazer sentido lembrar porque ainda existe um vasto caminho a percorrer, para que os direitos das mulheres sejam cumpridos.

Nesta data são recordadas também, as operárias protagonistas do protesto realizado a 8 de Março de 1857, em Nova Iorque, dia em que fizeram greve e em que ocuparam a fábrica onde trabalhavam para reivindicar a redução do horário de trabalho de 16 para 10 horas diárias. Aquelas operárias foram encerradas na fábrica onde, entretanto, se deu um incêndio e cerca de 130 morreram queimadas.

Em 1910, durante uma conferência internacional que decorreu na Dinamarca, foi decidido, em homenagem àquelas mulheres, comemorar a 8 de Março o "Dia Internacional da Mulher". Uma data que se transformou num importante marco para a luta, emancipação e defesa dos direitos das mulheres de todo o Mundo.

Neste dia 8 de Março, sábado, comemora-se, em vários concelhos do distrito de Beja, esta data, com actividades dedicadas às mulheres e nós deixamos aqui, alguns exemplos:

Em Aljustrel assinala-se a efeméride com distribuição de poemas e flores, na parte da manhã, junto ao mercado municipal.

Durante a tarde, a Biblioteca abre as suas portas para receber a apresentação dos livros de Ana Paula Figueira, "Caleidoscópio 11212" e "Sem-óculos-cor-de-rosa", acompanhada da exposição "Caleidoscópio 11212", de Pedro Santos.

Alvito sugere-se a apresentação, às 15.00 horas, na Biblioteca Municipal, do filme \"A Gaiola Dourada\", uma comédia sobre uma família portuguesa, em terras de França.

Em Moura há passeio, espectáculo musical com baile e lanche convívio na Herdade da Contenda. É oferecido ainda, a todas as mulheres do concelho, vouchers para uma entrada gratuita na Piscina Coberta e no cinema.

A FARPIBE/MURPI fez chegar, à redacção da Voz da Planície, um documento onde saúda todas as mulheres, nesta data, e em particular as reformadas do distrito de Beja, recordando a importância que as mesmas têm tido, ao longo dos anos, na luta pelo reconhecimento dos seus direitos e por uma sociedade mais justa.


Comente esta notícia