simsic

Este é o evento de referência nacional no que se refere à segurança informática e ao cibercrime. Este ano aborda a Ciber-Segurança e a Ciber-Defesa, contribuindo para a clarificação destes conceitos e dos seus domínios de intervenção, da sua relação e cooperação, assim como a sua correlação com o cibercrime nacional e internacional.

Rui Silva, docente do Instituto Politécnico de Beja (IPBeja) e responsável por esta realização, explica que nestes simpósios são sempre apresentados temas atuais, no que se refere às questões do cibercrime.

Rui Silva revelou ainda, que durante a manhã marcam presença no evento representantes de estruturas nacionais de Ciber-Segurança e Ciber-Defesa e que a parte da tarde conta com a participação de académicos, especialistas nestas matérias, deixando a indicação de algumas das individualidades que estão hoje, em Beja, no SimSIC 2018.

O SimSIC tem reunido, em edições anteriores, cerca de 250 participantes presenciais, entre estudantes e académicos, profissionais de informática e de segurança informática, forças policiais e militares, de todo o país. O evento é transmitido em tempo real, através da Internet, começa às 10.00 horas, com a receção aos participantes e debate, durante a manhã, das 10.30 horas às 12.30 horas, a CiberSegurança e CiberDefesa e a sua correlação com o cibercrime. Na parte da tarde, os trabalhos têm início marcado para as 14.30 horas e o debate é sobre CiberSegurança e CiberDefesa – Questões Jurídicas.

A edição deste ano conta com a presença de referências nestas temáticas, tais como: Pedro Veiga, coordenador do Centro Nacional de CiberSegurança; o Capitão-de-Mar-e-Guerra Fialho de Jesus, Chefe do Centro de CiberDefesa e Rogério Bravo, Inspetor-Chefe em Coordenação da Unidade Nacional de Combate ao CiberCrime e à Criminalidade Informática da Polícia Judiciária. Marcam presença, igualmente, vários professores do IPBeja, ligados a esta matéria, entre eles, Rui Silva, responsável também, pelo Laboratório ubiNET.


Comente esta notícia

Galeria de fotos