Biblioteca Aljustrel

Homem polivalente, Eduardo Moreira nasceu em Lisboa, em 1933, mas foi  viver para Aljustrel aos nove meses de idade. Em Aljustrel se casou e exerceu várias profissões, a maioria ligadas à geologia, tanto em Aljustrel como em Moçambique.

Muito cedo começou a interessar-se pela geologia e arqueologia, tendo sido dos primeiros a descobrir alguns dos achados arqueológicos mineiros do Concelho de Aljustrel. Aprendeu a arte do restauro e conservação do espólio encontrado e foi seu guardião durante muitos anos. 

Nesta sua terceira obra, Eduardo Moreira, hoje com 85 anos, procura dar a conhecer a geologia do concelho aljustrelense, de acordo com os conhecimentos que foi adquirindo durante a sua vida, sobre as formações geológicas, os minerais que as compõem, as suas origens, a sua riqueza mineral e as várias transformações que sofreram ao longo de milhões de anos. 

Nesta obra, Eduardo Moreira fala, num tom coloquial, das “suas rochas”, e da sua relação com quem privou, mas também da sua outra paixão: a arqueologia, que aprendeu com arqueólogos de renome.

Curioso, ávido de saber, com uma memória de nível superior, Eduardo Moreira tem-se dedicado, nestes últimos anos, a partilhar os seus conhecimentos com os outros.

É autor da obra “Do fundo das minas de Aljustrel para as profundezas da selva de Moçambique”, na qual conta as suas peripécias, venturas e desventuras que quis partilhar com o mundo, em homenagem à sua falecida esposa. É, também, autor do livro “À Descoberta de Aljustrel – Meu Alentejo”, um valioso contributo para o conhecimento, presente e futuro, de toda a riqueza arqueológica e geológica da vila mineira de Aljustrel.


Comente esta notícia