Dora Maria

O espetáculo Mar de tanto Amar, hoje à noite no Pax Julia, conta com a apresentação do trabalho discográfico da fadista Dora Maria. No espectáculo a fadista vai ser acompanhada à guitarra por Bruno Mira, à viola fado por João Chora e ao acordeão por Bernardo Fouto.

Dora Maria Valente Caldeira nasceu em Lisboa, mas as suas origens são alentejanas, de Nisa.

Desde tenra idade começou a ouvir fado, primeiro na voz de sua mãe que a embalava ao som do fado e foi mesmo com ela que cantou os primeiros versos.

A primeira vez que pisou um palco tinha 5 anos de idade e cantou mesmo sem músicos. O gosto pelo palco surgiu nesse dia…

Em 1992 foi viver para a cidade de Beja, cidade que acolheu enquanto estudante universitária. Durante os 5 anos que lá permaneceu foi solista da Tuna Académica da Escola Superior de Educação de Beja e dois deles foi Magister Tunae da mesma.

Também foi em Beja que em tertúlias de amigos, todos eles ligados à música, que o fado veio para ficar na vida de Dora Maria. Cantava-se muito nessas tertúlias, vários estilos de música, mas Dora sempre pedia que tocassem fado para ela cantar. Francisco Fanhais, grande amigo e companheiro dessas tertúlias, sempre lhe dizia que o fado era a sua canção. Começou então a cantar em várias noites fadistas na região de Beja, onde se cruzou com fadistas alentejanos tais como António José Zambujo e Ana Sofia Varela.


Comente esta notícia