Prova Oral - BE

Defesa da água pública sob controlo municipal; travar a invasão de monoculturas intensivas e superintensivas, apostando em iniciativas parlamentares que não foram votadas nesta legislatura e que transitam para a próxima; mais trabalho com direitos, estendendo, entre outras medidas, as 35 horas ao privado e a todo o setor público e erradicar o trabalho escravo nas campanhas agrícolas sazonais são prioridades para o distrito. Melhorar o investimento nos serviços públicos, principalmente na saúde, com atenções centradas na rede de cuidados primários, fixação de médicos e outros profissionais, assim como o avanço da segunda fase do Hospital de Beja são, também, prioridades do BE para o distrito, assegurou Mariana Aiveca.

Mariana Aiveca considerou que respondeu bem a todas as questões que lhe foram colocadas na Prova Oral e de acordo com o programa do Bloco.

Nas acessibilidades, Mariana Aiveca defendeu o avanço urgente da eletrificação da linha Casa Branca-Funcheira e construção de um ramal de ligação ao aeroporto de Beja. A A26 sem portagens até Beja, investimento na rede de estradas nacionais e municipais, ligação em perfil de IP de Odemira à A2 (Ourique) e à A22 (Lagos) e passes sociais intermodais acessíveis e generalizados a todo o Alentejo foram as outras ideias defendidas por Mariana Aiveca, no tema das acessibilidades.

Sobre Regionalização e descentralização deixou claro, que o Bloco defende a regionalização e que esta forma administrativa é decisiva para inverter o ciclo vicioso do desinvestimento e da desertificação física e populacional do território.

Florival Baiôa integrou o painel de convidados que fez a Prova Oral a Mariana Aiveca e considerou que a candidata do BE teve nota "muito positiva", demonstrando ser "conhecedora da realidade da região".

Recorde-se que nas legislativas de 2015, o BE conquistou 6.105 votos no distrito.


Comente esta notícia