Congresso Mário

Mário Simões quer que o Alentejo seja considerado como zona prioritária de Investimento Directo Estrangeiro (IDE) para gerar empregos e combater o despovoamento.

A proposta faz parte da moção intitulada "Alentejo, Desenvolvimento, Economia e Participação Política", que o presidente da distrital de Beja do PSD levou ao Congresso do Partido que decorreu, no último fim-de-semana, em Lisboa.

Segundo o documento trata-se de uma forma de criar condições para investir e, por outro, influenciar a procura de investidores internacionais canalizando para os territórios de baixa densidade, em particular para o Alentejo, a atribuição dos chamados vistos "gold".

Mário Simões revela que a ideia é que existam benefícios do ponto de vista burocrático e fiscal para quem queira investir nesta região, uma discriminação positiva de maneira a mitigar os custos da interioridade.

Ainda segundo Mário Simões, nesta fase é fundamental atrair para esta região investimento relativos à industria transformadora.

No documento é também sublinhado que o reinício imediato das obras no IP8, no IP2 e a eletrificação da linha ferroviária, Casa Branca-Beja, no período que vigorará o Quadro Comunitário de Apoio, deverão ser prioridades de investimento no quadro das infraestruturas de elevado valor acrescentado.

A moção defende ainda, entre outros aspectos, a criação de uma "marca Alentejo" e o "reforço do peso institucional" dos Institutos Politécnicos de Beja e Portalegre.


Comente esta notícia