Câmara Mértola

Segundo o PCP, o programa só serviu para regularizar a situação de cinco trabalhadores identificados com a força política que governa a Câmara, ou seja, o Partido Socialista, deixando de fora outros trabalhadores que também deveriam ter sido integrados.

Para o PCP, é pouco claro como a situação foi tratada pelo Executivo socialista pois, a Portaria 150 de 2017, permitia com PREVPAP- Programa de Regularização Extraordinária dos Vínculos Precários da Administração Pública resolver a situação de todos os trabalhadores abrangidos por esta situação e não apenas de alguns. Orlando Pereira, da Concelhia de Mértola do PCP, dá voz ao protesto.

Jorge Rosa, presidente da Câmara Municipal de Mértola, responde com a frase “Um bom jogador por si se julga” afirmando que essa era a prática da CDU quando estava à frente do município. Segundo Jorge Rosa, os cinco trabalhadores admitidos cumpriam os requisitos do diploma e faziam falta permanentemente ao município.

A Comissão Concelhia de Mértola do PCP condena energicamente a forma como o Município está a ser gerido pelo PS, força política que governa os destinos do concelho há 17 anos e que o “arrastou para o último lugar do despovoamento, abandono e desertificação, onde falta quase tudo, mesmo até, o respeito para com as pessoas que livremente escolheram outra orientação política que em nada se assemelha à sua”.




Comente esta notícia