Cartaz

Redescobrir o património e o conhecimento tradicional local sobre alimentação e estabelecer contatos com redes de alimentos e especialistas de outros países (Suíça, Espanha e Nepal); identificar áreas de aprendizagem mútua e partilhar experiências entre redes de alimentos de diferentes lugares do globo; discutir modelos, soluções concretas de implementação e, potencialmente, oportunidades de negócios para produtores locais são os objetivos desta iniciativa.

O foco do primeiro dia do programa desenvolve-se em torno das plantas perenes comestíveis e de recursos silvestres como o figo da índia e a bolota, alimentos que têm vindo a ser desperdiçados e que faziam parte da dieta tradicional do território.

No segundo dia, dia 15 de janeiro, o foco será em torno da concretização prática do projeto da rede alimentar de Mértola. A manhã será dedicada à visita a algumas das hortas aderentes ao projeto e, a tarde, será para delimitar o plano de implementação de uma rede de produção e distribuição local de hortícolas e frutícolas para abastecimento de cantinas de restauração coletiva (lares, escolas e outras).

Esta iniciativa é co-financiada pela SOMINCOR e pela Fundação Leopold Bachmann.


Comente esta notícia