Marciano Lopes e Gonçalo Valente

Os militantes do PSD exercem o seu direito das 15.00 às 19.00 horas, nas secções de Beja, Ourique, Serpa, Odemira e Moura.

Como só existem cinco secções de voto, os militantes dos concelhos de Aljustrel, Alvito, Cuba, Ferreira do Alentejo e Vidigueira votam na secção de Beja. Os militantes de Barrancos votam na secção de Moura e os de Almodôvar e Castro Verde na de Ourique.

Marciano Lopes é um dos candidatos e tem como número dois Luís Galrito. Marciano Lopes quer “reafirmar a dignidade da região”, baseada em oito medidas, entre elas um “pacto inter-partidário pelo Baixo Alentejo”, que consiste em convidar todos os partidos do distrito a realizarem um fórum conjunto, denominado “Pelo Baixo Alentejo”, com o propósito de celebrar uma aliança pelo desenvolvimento do território. 

Gonçalo Valente também está nesta corrida e tem como número dois Conceição Pires. Gonçalo Valente apresenta um programa composto por 11 medidas “exequíveis e ambiciosas”, que têm como objetivo mudar o rumo do partido no distrito, recolocando-o no sítio onde merece. Entre outras propostas, Gonçalo Valente quer fazer uma Convenção Anual, com quadros do partido a nível nacional, formar quadros autárquicos e fomentar a militância ativa. 

Na passada quinta-feira, dia 14, a troca de acusações entre os dois candidatos subiu de tom. Marciano Lopes denunciou a falta de "transparência" no pagamento massivo de quotas, nas secções de Beja e Ourique e disse que o projeto de Gonçalo Valente é de "uma pobreza confrangedora". 

Por sua vez, Gonçalo Valente respondeu às acusações dizendo que são afirmações como as que Marciano Lopes efetuou que afastam as pessoas da política e que o seu adversário quer descredibilizar a sua candidatura, que junta uma equipa "valiosa" de homens e mulheres num projeto que melhor serve o PSD e o Baixo Alentejo.

Recorde-se que João Guerreiro foi eleito presidente da Distrital de Beja do PSD a 7 de novembro de 2016 e que dos 630 militantes com capacidade eleitoral votaram 439. João Guerreiro sucedeu Mário Simões na liderança do PSD do distrito.

Neste sábado serão os 450 militantes em condições de votar que vão decidir quem será o próximo líder da Distrital Laranja. Seja como for é preciso recordar que Marciano Lopes prometeu impugnar o ato eleitoral no caso de perder e desafiar o adversário Gonçalo Valente a fazer o mesmo, no caso de ganhar.


Comente esta notícia