Mariana

Tendo como mote, inspiração e guia materiais etnográficos colhidos no norte de Portugal, a que se juntaram memórias e fantasias próprias, Maria Morais e Ana Lage tentam reconstituir uma conversa entre afilhadas, para dar voz à sua madrinha MARIANA, antiga tecedeira raiana, morta e enterrada há pouco nos subúrbios de Paris, na França, e pelas suas ágeis mãos seguem o trilho do linho, as memórias que invoca, as gerações que retrata, os gestos que repete e perpetua, as etapas da vida que celebra- o nascimento, o jogo, o trabalho, o amor, a festa, a partida.

Fazem parte deste reportório em trânsito contos de autor, mesclados de histórias, cantigas e romances tradicionais, algumas danças, ferramentas de trabalho e outros dispositivos mágicos.

Mariana! Contos, cantos e descantes de mulheres em trânsito é o mote para a iniciativa que está integrada nas mil e uma noites, mil e uma histórias.





Comente esta notícia