NOTAS DE EURO CONTAGEM

Aquele matutino esclarece que no quociente familiar, o rendimento sujeito às taxas gerais do imposto passa a ter em conta todo o agregado familiar e não apenas os sujeitos passivos e que a cada filho é atribuído um valor de 0,3, o mesmo do que a ascendentes a cargo que recebam menos de 260 euros mensais.

Nas deduções pessoais e familiares vai desaparecer a dedução que o Fisco atribuía a cada sujeito de forma automática (213,75 euros) e em contrapartida, cada dependente e cada ascendente valem uma dedução maior (325 euros e 261,25 euros, respetivamente).

No parâmetro dos limites globais à coleta fica sem limites para quem ganha até sete mil euros anuais (primeiro escalão) e limite de mil euros para quem aufere de 80 mil euros ao ano (quinto e último escalão). Entre estes valores, o teto vai diminuindo à medida que o rendimento coletável cresce.

Na saúde, 15% dos gastos com a saúde do agregado familiar são dedutíveis, até ao limite de mil euros. Passam a ser elegíveis encargos com os seguros de saúde.

Na educação: são dedutíveis 30% das despesas, até ao limite de 800 euros.

Na habitação: é possível deduzir 15% das despesas com rendas até ao teto de 502 euros. Quem tem casa própria, pode deduzir 15% das despesas com juros de empréstimo à habitação.

A tributação separada tem nova regra. Caso os elementos do casal optem pela tributação conjunta, terão de o indicar na declaração de rendimentos.

Os benefícios com PPR mantêm os relativos à subscrição de novos produtos.

Não se esqueça também de ter em atenção que só serão dedutíveis despesas que possa comprovar com faturas com o número de contribuinte, seja qual for o tipo de despesa.


Comente esta notícia