Costa Vicentina

A autarquia odemirense recorda que juntamente com a Assembleia Municipal, sempre assumiram uma posição unânime contra a exploração de petróleo na Costa Sudoeste, denunciando a incoerência de aceitar a exploração de petróleo frente para um Parque Natural, numa zona costeira com valores ambientais únicos a nível europeu, com espécies protegidas por directivas comunitárias e com regimes de protecção muito exigentes para as populações.

Para a Câmara Municipal de Odemira, é inaceitável que o Sudoeste Alentejano seja confrontado com a exploração, sem consulta prévia às entidades locais, sem estudos de avaliações dos impactos económicos, sociais e ambientais, ao arrepio dos objectivos assumidos por Portugal no âmbito do Acordo de Paris, que apontam no sentido da transição energética para uma economia de baixo carbono.

Os autarcas odemirenses consideram que este investimento é susceptível de acrescer riscos ambientais, económicos e sociais, numa região que assenta a sua riqueza no turismo, nas pescas e na agricultura.

Em comunicado, o município recorda ainda que em Março de 2017, decidiu avançar com uma Providência Cautelar para travar o processo de prospecção ao largo de Aljezur, em Maio de 2018, aprovou uma tomada de posição de repúdio pela decisão da Agência Portuguesa do Ambiente relativa à dispensa da obrigatoriedade da realização de Avaliação de Impacte Ambiental.



Comente esta notícia