Paraquedistas

De acordo com o Exército, "durante a execução de um salto de queda livre operacional, o sistema de paraquedas não funcionou devidamente, tendo resultado na queda do nosso Militar dentro do perímetro da Base Aérea N.º 11".

De imediato foram "acionados os procedimentos de emergência médica"

O Exército, diz, ainda, o comunicado, está a "realizar o processo de averiguações para apurar todas as circunstâncias em que ocorreu este acidente", tal como se pode ler na notícia avançada pela RTP.

A Voz da Planície chegou à fala com o responsável pelas Relações Públicas do Estado Maior da Força Aérea, tenente coronel Costa, que confirmou a ocorrência na manhã de hoje e que esclareceu ser da competência do Exército a responsabilidade das comunicações sobre a situação em causa. Deixou, igualmente, a indicação de que a Força Aérea Portuguesa lamenta o ocorrido.

Recorde-se que a Base Aérea nº11, em Beja, está a receber até 4 de Outubro, o exercício anual Real Thaw 19. 

Esta edição de 2019 junta, militares da Força Aérea, Marinha e Exército portugueses e forças da Dinamarca, Espanha, França, Holanda, Estados Unidos da América e NATO, num total de 600 participantes e 21 aeronaves.

O RT19 tem como principal objectivo avaliar e certificar a capacidade operacional da Força Aérea, proporcionando treino conjunto multinacional.
São também objectivos deste exercício preparar os militares para missões internacionais em cenários operacionais e proporcionar interoperabilidade entre países e respectivos meios.

Desta forma, o RT19 desenrola-se tendo como base o treino, a qualificação e o aprontamento das unidades aéreas, e respectivas tripulações, de forma a dotar as mesmas com as valências necessárias à realização de operações aéreas.

Durante o RT19 vão ser executadas missões de defesa do espaço aéreo, protecção a helicópteros e viaturas terrestres de transporte em missão humanitária, apoio aéreo próximo a forças terrestres e operações especiais, extracção de elementos militares ou civis, com e sem ameaça aérea, lançamento de carga e de pára-quedistas, busca e salvamento em zonas de combate, evacuações aeromédicas, ataque convencional com armamento guiado e de alta precisão a alvos fixos e móveis e ainda ataque convencional a forças marítimas.



Comente esta notícia

Galeria de fotos