Avaria na automotora (fotografia de Martim Portugal Ramôa)

Depois de ter saído de Lisboa (Gare do Oriente), por volta das 17.30 horas, com mais de 20 minutos de atraso, o Comboio Intercidades fez, com uma hora e vinte de atraso, o transbordo na Estação de Casa Branca, para daí, os passageiros seguirem até à Estação de Beja, passando, ainda, pelas Estações de Vila Nova da Baronia e de Cuba.

Acontece, que na passada sexta-feira, dia 3 de agosto, depois dos atrasos já verificados e debaixo de um calor intenso, na ordem dos 43 graus, o comboio regional que liga Casa Branca a Beja, avariou entre Alvito e Vila Nova da Baronia, deixando os passageiros, dentro de uma automotora com portas e janelas fechadas, sem ventilação e sem luz, tal como conta à Voz da Planície, Martim Portugal Ramôa, um jovem natural de Beja, que viveu esta situação “desesperante”.

Para retratar e mostrar às pessoas a “situação limite” que aqueles cerca de 30 passageiros estavam a passar, Martim Portugal Ramôa decidiu fazer um vídeo em direto para o Facebook.

Após mais de uma hora parados e sem qualquer esclarecimento por parte da CP, e depois das portas abrirem, Martim Portugal Ramôa conta que um grupo “pegou nas malas” e seguiu a pé “pela linha férrea adentro” até à Estação de Vila Nova da Baronia, num percurso aproximadamente de 4 quilómetros, sem qualquer “luminosidade”, acompanhados apenas pelas laternas dos telemóveis.

Lisboa – Beja, uma viagem que deveria ser feita, aproximadamente, em duas horas e vinte minutos, e que, na última sexta-feira, demorou cerca de 6 horas, “uma situação desesperante, limite e irreal”. 


Comente esta notícia

Galeria de fotos