água da torneia

Segundo o PCP, os municípios de “Aljustrel, Almodôvar, Barrancos, Beja, Castro Verde, Mértola, Moura e Ourique estarão a decidir a constituição de uma parceria para a gestão dos sistemas de água em baixa, porventura procurando aproveitar o facto de temporariamente o PS ter uma maioria em câmaras municipais do distrito e sem uma discussão e esclarecimento necessários nos órgãos autárquicos, aos trabalhadores envolvidos e à população sobre uma tão importante matéria”.José Maria Pós-de-Mina, da DORBE do PCP, afirma que a gestão da água deve continuar sob responsabilidade de cada município e considera que a decisão das autarquias socialistas pode criar as bases para uma posterior privatização de um sector que é muito apetecível.José Maria Pós- de-Mina aponta ainda algumas consequências que esta medida pode ter, nomeadamente o aumento das tarifas nos vários municípios e a perturbação na situação laboral dos trabalhadores do sector,  no caso do concelho de Beja implicará a extinção da EMAS.

A Voz da Planície falou com o presidente da Câmara de Beja e Paulo Arsénio confirmou que existe a intenção de um conjunto de municípios se associarem para a gestão da água em baixa, à semelhança do que acontece com a gestão da água em alta, situação, referiu, com a qual a “CDU concordou”. Garantiu que a privatização está fora de hipótese, porque no caso das Águas de Portugal virem a ser privatizadas, o contrato caducaria, passando a gestão para os municípios. Disse, também, que Ferreira do Alentejo está de fora. Frisou, igualmente, que no caso do Município de Beja não implicaria aumento tarifário e que esta solução resolve problemas estruturais no abastecimento de água. O presidente da Câmara de Beja acrescentou que há vantagens no caso desta possibilidade se confirmar e que a EMAS de Beja ficaria responsável pela gestão desta parceria, integrando-se na mesma. Avançou, ainda, com informação de valores de investimentos que esta solução permitiria.




Comente esta notícia