SIMBOLO DA DORBE DO PCP

Na passada quarta-feira, dia 30 de abril, realizou-se uma audição do Ministro da Saúde, na comissão parlamentar de saúde, por requerimento potestativo do PCP, para discussão dos problemas com emergência hospitalar e também política de saúde.

Naquela audição, o PCP questionou o ministro sobre vários problemas que atingem o distrito de Beja. A primeira questão colocada foi sobre a carência de médicos de família que tem sido evidente principalmente nos Centros de Saúde de Moura, Vidigueira e Almodôvar. Outro problema do distrito prende-se com os fisioterapeutas. A ULSBA tem neste momento 27 fisioterapeutas, que prestam serviço, não só nos serviços de fisioterapia mas que se encontram espalhados por vários Centros de Saúde do distrito.

Por último questionou-se sobre o Departamento de Psiquiatria, a colocação de psiquiatras e a abertura do internamento, lembrando que o próprio ministro tinha reconhecido, aquando da discussão do Orçamento de Estado para 2014, a necessidade de resolver o problema.

O Grupo Parlamentar do PCP revelou que infelizmente o ministro não respondeu a estas questões, com o argumento ridículo de que a sua vinda à comissão servia para discutir política de saúde e não a falta de médicos ou de técnico aqui ou acolá.

Na referida audição o ministro informou que estão a preparar instrumento legislativo, de valor igual à portaria de categorização das unidades hospitalares, para clarificar que não encerrarão maternidades. Nesse contexto, afirmamos que aguardaremos com expetativa o referido instrumento,

O Grupo Parlamentar do PCP apresentará por escrito as questões não respondidas e suscitará a discussão e votação do Projeto de Resolução nº 811/XII - 2ª, que Recomenda ao Governo que concretize as medidas políticas necessárias para o funcionamento pleno do Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental da Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo, de sua autoria. 


Comente esta notícia