mãos idosos
De acordo com o MURPI, as razões invocadas para não efectuarem o pagamento têm sido das mais diversas, desde a falta de numerário ou invocação que a Caixa Geral de Depósitos não efectuou a transferência dos valores das pensões.

Considera o MURPI que se trata de uma situação grave que representa um atentado contra os direitos dos reformados, pensionistas e idosos que têm como único rendimento o resultante das pensões.

Casimiro Menezes, presidente da direcção do MURPI, dá voz às preocupações que existem com esta situação.

Entretanto o MURPI já alertou a Secretaria de Estado da Segurança Social para a necessidade de corrigir os procedimentos relacionados com a forma de pagamento aos pensionistas que não têm condições económicas para manter uma conta bancária e alerta todos os pensionistas a elaborarem o seu protesto nas situações irregulares do pagamento das pensões.


Comente esta notícia