Olival

O Grupo Parlamentar “Os Verdes” dedica as suas Jornadas Parlamentares, que decorrem, hoje amanhã, no distrito de Beja, ao olival intensivo e à ferrovia.

Na perspectiva do PEV “o olival intensivo representa uma ameaça de morte do futuro do Alentejo, destrói solos e contamina águas, situação tanto mais grave, quando nos estamos a confrontar com os estudos que apontam esta como a região do país mais vulnerável à seca, como consequência das Alterações Climáticas”.

Por outro lado, em destaque está a electrificação da linha ferroviária entre Casa Branca e Beja, uma das medidas para combater a interioridade, facilitar a mobilidade, potenciar a atracção de empresas e gerar mais postos de trabalho, desenvolvendo o turismo, ajudando na fixação de pessoas, alavancando o potencial do terminal aeroportuário de Beja, ou seja, como forma de promover o desenvolvimento económico, social e ambiental do distrito de Beja. Esta foi uma das propostas que o PEV viu aprovada em sede de OE2019.

As Jornadas Parlamentares culminam a campanha iniciada pelo PEV, em que vários dirigentes percorreram concelhos dos 3 distritos alentejanos mais afectados, pelo olival intensivo, onde foram colocadas 500 bandeiras negras a assinalar estes locais nos distritos de Portalegre, Évora e Beja.

Manuela Cunha, dirigente nacional do PEV, afirma que para além da mudança da paisagem, com este tipo de cultura a região está fortemente penalizada e explica porquê.

Para Manuela Cunha, a situação é de tal maneira grave que a capacidade produtiva dos solos do Alentejo pode ficar comprometida no futuro.




Comente esta notícia