Plataforma Alentejo

Segundo o Secretariado da Plataforma Alentejo esta ausência foi deliberada e correspondeu a uma única preocupação, não correr o risco de puderem vir a figurar apenas alguns deputados ou alguns autarcas no activo entre os primeiros subscritores.

É ainda afirmado que “construída em tempo de férias, conscientes das dificuldades daí decorrentes e sem a garantia de conseguir contactar todos os interessados, foi consensual não correr o risco de poderem vir a figurar uns e não figurar outros, de forma a evitar leituras inconvenientes e prejudiciais ao normal desenvolvimento de um processo que deve mobilizar todo Alentejo, sensibilizar as instituições do Estado para que tenham presente as suas justas e legítimas aspirações e mobilizar a opinião pública nacional, pois, são do interesse de Portugal, as propostas apresentadas”.

É também revelado que foi decidido contactar todos os deputados eleitos pelos círculos eleitorais do Alentejo, todos os municípios e freguesias e outras importantes instituições do Alentejo, no momento imediato à apresentação aos órgãos de comunicação da Plataforma, o que tem estado a ocorrer.

Filipe Pombeiro, Presidente do NERBE/AEBAL, um dos elementos da Plataforma, já tinha afirmado aos microfones da Voz Planície que se trata de um movimento do Alentejo, que está aberto a todos aqueles que se queiram juntar ao projecto.



Comente esta notícia