Plataforma Alentejo

Um esclarecimento que surge face “a algumas confusões e dúvidas que têm sido levantadas por algumas pessoas que já subscreveram as Petições promovidas pelo Movimento “Beja merece +” e pela Comissão Dinamizadora de AMAlentejo”.

No esclarecimento é afirmado que a Petição Pública da Plataforma Alentejo, embora pareça uma repetição das questões levantadas pelas Petições, que surgiram por parte dos outros movimentos, é uma nova petição que contém importantes alterações em relação às mesmas, sobretudo no que concerne à sua abrangência, à natureza estratégica e estruturante das suas propostas, não apenas para todo o território do Alentejo, mas para o País, e quanto à necessidade de inscrever as mesmas como prioritárias e de interesse Nacional no PNPOT-Programa Nacional da Política do Ordenamento do Território, versão 2018, no Programa Nacional de Investimentos 2030, em discussão e para a mobilização de recursos ainda disponíveis no PT2020 para início ou conclusão de algumas delas.

É ainda afirmado que a assinatura da Petição Pública da Plataforma Alentejo, sustentada no importante trabalho do Professor e Investigador da Universidade do Algarve, Manuel Tão, especialista em ferrovia, e na reconhecida autoridade técnica e científica de muitos dos primeiros subscritores da Plataforma Alentejo, constitui um importante dever cívico de todas e todos os que aspiram a contribuir para um Portugal menos assimétrico e para um Alentejo desenvolvido no plano económico, social e cultural e preservado no plano ambiental.





Comente esta notícia