Policia

Com este protesto, a ASPP/PSP-Associação Sindical dos Profissionais da Polícia pretende que de “alguma forma se faça sentir ao Governo que os polícias estão fartos de continuar a ser ignorados e que não se responda àquilo que são as suas necessidades, não só profissionais como socio-profissionais”. Entre as reivindicações está a negociação dos suplementos, as pré-aposentações, promoções e os subsídios de risco.

Francisco Passinha, delegado em Beja da ASPP-PSP, afirma que os polícias acabam por “sofrer” também aquilo que se passa na sociedade.

Ainda segundo Francisco Passinha, este é um “grito” de alerta perante a falta de respeito por parte dos políticos e não coloca de parte a hipótese de surgirem outras formas de protesto.

A ASPP/PSP aprovou, ontem, um caderno reivindicativo que vai ser entregue em mão, na próxima 5ªfeira, ao ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita.



Comente esta notícia