Porquinho Doce

Doce fino de Beja e muito típico da época natalícia, o “Porquinho Doce” é riquíssimo em história e sabor, sendo produzido à base de açúcar, amêndoa, ovos, cacau, gila e pão. Na Confeitaria Bejense, atual Pastelaria Luiz da Rocha, fundada em 1893, já se fabricava este doce que teve a sua origem no Real Convento de Nossa Senhora da Conceição.

O Porquinho Doce disputa um lugar na final com mais 13 iguarias: Amêndoa Coberta de Moncorvo, de Bragança; Barrigas de Freira, de Aveiro; Bolinhol de Vizela, de Braga; Bons Maridos, de Santarém; Brisa do Liz, de Leiria; Charutos dos Arcos, de Viana do Castelo; Crista de Galo, de Vila Real; Filhós de Cabrela, de Évora; Folar de Olhão de Faro; Mel Biológico do Parque Natural de Montesinho, também de Bragança; Ovos Moles de Aveiro, igualmente de Aveiro; Pastel de Tentúgal, de Coimbra e as Roscas de Monção, mais um doce de Viana do Castelo.

Recordamos que as linhas já estão abertas para votação, que a do Porquinho Doce é 760 107 094 e que dos 14 finalistas apurados vão ser eleitos “7 Doces” pelos portugueses como “7 Maravilhas Doces de Portugal”.

A Gala Final realiza-se em Montemor-o-Velho, no próximo sábado, dia 7 e será transmitida pela RTP1, a partir das 21.00 horas.


Comente esta notícia