lince ibérico

O projeto LYNXCONNECT, submetido em 2019, por Espanha e Portugal a financiamento ao Programa “Life Action Grants” obteve aprovação na fase final de seleção. A informação é revelada pela Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo (CIMBAL). 

O “projeto LYNXCONNECT – criando uma metapopulação de lince-ibérico genética e demograficamente funcional” tem como objetivo central o aumento da população de lince-ibérico e reforçar a conectividade entre as subpopulações de Portugal e Espanha.

Segundo a CIMBAL, “a União Europeia comunicou no passado mês de maio, a todos os parceiros, através do beneficiário coordenador – Junta de Andaluzia - que este novo projeto passou nos diferentes critérios de avaliação, tanto por consistência e qualidade técnico-financeira, como devido ao valor acrescentado para a União Europeia”.

“Por outro lado”, refere a CIMBAL, o projeto “constitui a sequência e evolução lógica do anterior projeto “LIFE+Iberlince”, que decorreu entre setembro de 2011 e junho de 2018, através do qual, “o ICNF e outros parceiros nacionais públicos e privados e do país vizinho conseguiram reintroduzir o lince-ibérico em território português, com caráter estabilizado, o que não ocorria desde o final do século XX”.

Em termos financeiros o projeto implica um investimento total de 18,5 milhões de euros, cabendo ao ICNF um pouco menos de 1,5 milhões, sendo a taxa de financiamento de 60,67 %, o que se traduz num financiamento comunitário global de quase 11,4 milhões de euros.

Este projeto, que agrega 20 parceiros ibéricos, tem como beneficiário coordenador a Consejería de Agricultura, Ganadería, Pesca y Desarrollo Sostenible da Junta de Andaluzia, e por parte de Portugal, para além do ICNF, participam como parceiros a Infraestruturas de Portugal, IP e a Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo (CIMBAL).

Portugal, através do ICNF, da Infraestruturas de Portugal e da CIMBAL, e com o apoio de outras entidades pretende consolidar a população criada entre 2015 e 2018 no Vale do Guadiana, estabelecer pequenos núcleos populacionais que reforcem a conectividade com as subpopulações de Andaluzia, Castilla-La Mancha e da Extremadura espanholas e, ainda, equacionar a possibilidade de uma nova área de reintrodução, através da avaliação de potenciais territórios que reúnam as condições adequadas de habitat, alimento, continuidade natural e tranquilidade e aceitação social para o estabelecimento de uma nova população.

“Paralelamente com as medidas, diretamente, relacionadas com a espécie alvo deste projeto, serão desenvolvidas iniciativas de caráter social, de promoção, sensibilização e informação dos públicos locais e urbanos, a par de outras ações que terão efeitos positivos indiretos sobre o ecossistema mediterrânico e sobre a economia local, criando melhores condições de vida para as populações locais e proporcionando alternativas de desenvolvimento sustentável, por exemplo, através do turismo de natureza”, esclarece a CIMBAL.


Comente esta notícia