João Português

Uma das questões abordadas teve a ver com as eleições autárquicas, João Português acredita que, em 2021, é possível que, no distrito de Beja, se passe o inverso daquilo que aconteceu em 2017 e que a CDU consiga recuperar alguns dos municípios que perdeu, o autarca considerou normal que haja cada vez mais uma maior mudança de câmaras de mão para mão.

Quanto ao processo de descentralização de competências que o Governo tem em marcha, João Português é muito critico e considera que nos moldes em que está a ser concebido coloca em causa a autonomia do poder local. João Português garante que Cuba só aceita esta descentralização se for abrigada porque este é um negócio “ruinoso” para as autarquias.

Os projectos estruturantes desta região também mereceram destaque, relativamente à inclusão da electrificação da linha férrea Beja/ Casa Branca no OE 2019, João Português destacou o contributo que a autarquia de Cuba deu nesse sentido, mas reconheceu que a inscrição não significa obra feita. O autarca falou também do aeroporto de Beja como uma infraestrutura internacional com capacidade para várias valências e defendeu que o projecto de electrificação deveria contemplar a construção do cais do aeroporto, como uma estação intermédia entre Beja e Cuba.

Nesta entrevista, João Português, revelou ainda que o seu concelho já perdeu investimentos devido aos estado das acessibilidades rodoviárias e apontou como exemplo uma multinacional que pretendia avançar com um negócio de produção de beterraba e transformação de açúcar e que acabou por não se instalar.

A entrevista de João Português que passou ontem à tarde na Voz da Planície está disponível, a partir de hoje, no Diário do Alentejo.



Comente esta notícia