Debate Saúde

Neste fórum/debate, os médicos e enfermeiros da ULSBA identificaram as dificuldades com que se deparam e o bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, afirmou que o cenário descrito se replica noutros locais do país. No final, Miguel Guimarães afirmou que são necessárias políticas de descentralização efetiva para a saúde.

Este foi um encontro onde se refletiu também, sobre as políticas do Governo para a saúde. As contrações em regime de prestação de serviços saem caras e não suprimem as necessidades, a longo prazo, mas para já esta é uma das respostas que a tutela oferece. Quanto aos investimentos na área da saúde poderem deixar de existir, para as unidades de saúde com sede em Beja e Portalegre, devido ao investimento no Hospital Central do Alentejo, José Robalo, presidente do Conselho Diretivo da ARS Alentejo, disse que isso não vai acontecer, assim como o facto desta realização não colocar em perigo as valências da ULSBA.

Conceição Margalha, presidente do Conselho de Administração da ULSBA, afirmou que apostar na formação ajuda a fixar jovens quadros e que é preciso criar uma carreira médica de qualidade sem diferenças absurdas de vencimentos, decorrentes dos regimes de contratação, frisando mesmo que se assim se continuar o SNS acaba.

Neste fórum/debate os autarcas assumiram o compromisso de contribuírem, dentro das suas competências, para ajudarem a contrariar a “obsoleta” falta de médicos que se verifica atualmente, na ULSBA. E neste contexto Paulo Arsénio da Câmara de Beja, revelou entre outros aspetos, que está a verificar como se pode dar uma maior, e melhor oferta, no que às casas de função diz respeito. O presidente da Câmara de Serpa Tomé Pires defendeu a realização de um acordo que permita o regresso do Hospital de São Paulo, na tutela, atualmente da Misericórdia, ao SNS. Sobre esta matéria, Conceição Margalha, a presidente do Conselho de Administração da ULSBA frisou que só faz acordos que sejam exequíveis, caso contrário prefere sair do cargo que ocupa.

Participaram, igualmente, nesta iniciativa, os deputados do PCP e PS eleitos por Beja.

O deputado comunista João Dias defendeu que é preciso pensar nas pessoas, nos profissionais de saúde e deputado socialista Pedro do Carmo avançou que as questões da saúde são uma preocupação de todos. Ambos deixaram o compromisso de continuar a contribuir para melhoria das condições de saúde na região no quadro das suas funções de deputados,

Todos os presentes, médicos, enfermeiros, autarcas e decisores políticos relevaram o facto, de ser positivo conversar e refletir sobre a saúde na região, dizendo que este foi o pontapé de saída para se continuar a refletir sobre a matéria, porque só assim será possível surgir alguma alternativa realista para a área de intervenção da ULSBA.


Comente esta notícia