Silarca 2016 banner

Fazer deste evento uma referência no roteiro gastronómico/cultural, no concelho e distrito, celebrar os recursos silvestres e micológicos, enquanto valor patrimonial de excelência, o cante alentejano, património da humanidade e os produtos locais, no cenário natural que a Cabeça Gorda oferece são os objetivos desta realização, que em 2016 apresenta também, mais área disponível para expositores, com exposição de produtos ligados à produção de cogumelos, ervas aromáticas, licores regionais, doçaria tradicional, bordados e costuras, bem como algum artesanato regional.

Receber ainda mais visitantes do que em 2015 é um dos grandes desafios do Silarca 2016, proporcionando à aldeia de Cabeça Gorda, durante três dias, uma dinâmica que contribui para o seu desenvolvimento, revelou Álvaro Nobre, o presidente da Junta de Freguesia, a entidade responsável pela organização do evento, em parceria com a Associação de Defesa do Património de Mértola.

O primeiro dia do evento sugere, entre outras atividades, uma mesa redonda sobre "Sobreiro e cogumelo, paisagem e identidade", que conta com a presença de vários oradores, com destaque para a abordagem à candidatura do montado a Património da Humanidade. As declarações são, igualmente, do presidente da Junta de Freguesia de Cabeça Gorda, Álvaro Nobre.

Nesta sexta-feira, o programa do Silarca 2016 começa às 15.30 horas, com a inauguração de mural infantil "O meu cogumelo", a lota micológica abre às 16.00 horas e a seguir realiza-se a mesa redonda "Sobreiro e cogumelo, paisagem e identidade", às 17.30 horas, na Casa do Cante.

A abertura solene do Festival 2016 acontece às 20.30 horas, com a presença do embaixador Bruno Ferreira e a atuação dos Just Kolors Dance, na Rua da República. Para as 21.30 horas está agendado o concerto com Nelson Laranjo, na Tenda Micológica, seguido da atuação, às 23.00 horas, da Banda 70 Volts. A noite termina com os sons do DJ Ritta.


Comente esta notícia

Galeria de fotos